segunda-feira, 14 de julho de 2014

Leandro Soriano, autor de "O Grande Livro das Pessoas sem Nome" e "Vida".

Oiii, pessoas! Leitores queridos! Quanto tempo, não é? Depois de tantas cobranças pra posts novos, aqui estou eu, novamente! haha hoje eu vou falar do autor dos livros (muito interessantes por sinal) "O Grande Livro das Pessoas sem Nome" e "Vida", pra completar tem uma entrevista super interessante em que ele fala a partir de quantos anos ele decidiu escrever livros até qual livro preferido dele, no momento.

O Grande Livro das Pessoas sem Nome.

Sinopse:

Pessoas sem nome caminhando pelas ruas.
Pessoas sem nome se arrastando pelo chão.
Quem é essa mulher gorda sem amigos?
O Louco que corre a procura de sua razão?
Esse homem de terno que dorme com os mendigos.
Homem de de surrada túnica marrom,
falando palavras sem sentido?
Esse garoto obcecado por um amuleto
que espreme em sua mão?
Quem é esse homem tocando um piano invisível,
morrendo de saudades por sua nação?

Quem é você?
Quem é você?

Seja bem-vindo a um novo mundo!
Seja bem-vindo ao grande mundo das pessoas sem nome!

Vida 

Sinopse: 

Imagine um mundo onde a biotecnologia está em seu ápice. Onde é comum ter robôs que se assemelham a seres biológicos, substituindo os cachorros como animais preferidos de estimação. Recriar membros amputados é algo simples, e feito com tal perfeição que se torna difícil diferenciar a prótese do membro original. Neste mundo de infinitas possibilidades, Luíza sofre um acidente com o seu marido, Rodrigo. Ele entra em coma. Luíza deve aceitar a perda do marido?


Gostaram? Se vocês, assim como eu querem conhecer mais essas obras acessem o site: http://www.leandromarcolino.com.br/ lá você, blogueiro, pode ver outras entrevistas do autor e ler os livros online (OLHA A ALEGRIA! Eeeeeeh) 

Vamos a entrevista! 

 É formado em Ciências da Computação na Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente vive em Los Angeles e é aluno de doutorado em Ciência da Computação na University of Southern California.

Nome completo: Leandro Sorianos Marcolino

1) A partir de que idade você decidiu que queria escrever livros?
Desde muito cedo, eu devia ter uns 10 anos. Eu sempre adorei ler, e um dia vi na feira do livro da minha escola um aluno vendendo um livro que ele mesmo escreveu. Como este aluno era apenas um ou dois anos mais velho, eu pude me conectar com aquilo, de certa forma, e me passou a sensação de que eu, também, poderia escrever um livro. Assim, escrevi minha primeira história ao longo de um ano, e a vendi na feira do livro seguinte. O livro se chamava: "Os Caça-Vampiros: Uma História Mirabolante"... hehe

2) Se inspirou em alguém? Escritor ou escritora?
Acho que todo escritor que eu leio me afeta de alguma forma, principalmente os que eu admiro. Bem, talvez os que eu não admiro também me afetem, me ensinando como não escrever... hehe Enfim, eu gosto muito de Clarice Lispector, James Joyce, José Saramago... Em geral, gosto de livros que não são óbvios, que inovem em algum sentido, que provoquem o leitor ou o proporcione uma experiência diferente. Enfim, que sejam arte, o que quer que signifique ser arte... hehe

3) Quem leu seus primeiros contos e qual é a sensação de terminar um livro e perceber que dali em diante, muitas pessoas o leriam?
Você quer dizer os primeiros contos de "O Grande Livro das Pessoas sem Nome"? Eu mostrei o primeiro conto para meus pais e amigos próximos. Mas depois disso acabei segurando um pouco, e só mostrei para outras pessoas quando já tinha um rascunho inteiro completo. Recebi comentários dos meus pais, e dos meus amigos do Vale Literário (www.valeliterario.com.br), um grupo de literatura do qual participo.

A sensação de terminar um livro e torná-lo disponível para leitura é um pouco assustadora. É difícil definir quando uma obra está realmente "pronta", e meu sentimento em relação à qualidade da obra é sempre uma montanha russa... hehe Seria fácil ficar revisando um livro eternamente, e simplesmente nunca publicá-lo. Mas acho que chega um momento em que a gente tem que enfrentar um pouco o medo e deixar a cara à tapa. Até mesmo para ficar "livre" para começar um novo projeto...

4) Qual o seu conto preferido? Por que?
Em "O Grande Livro das Pessoas sem Nome", o meu conto preferido é o último, "Sociedade". Reconheço, porém, que ele é um pouco árido, e é o que a maior parte dos leitores não vai gostar. Fiquei um bom tempo até mesmo em um dilema, sem saber se incluía ele no livro ou não. Mas eu simplesmente não conseguia aceitar o livro sem o último conto.

Ele é o meu preferido porque ele é muito diferente do que eu costumo ver. O "Sociedade" está mais para um poema do que para um conto, e é uma espécie de retrato da psique humana, uma espécie de explosão de sentimento. Enfim, não quero falar demais porque a interpretação deve ser livre para cada leitor, mas se você ler o livro vai perceber que o "Sociedade" é, definitivamente, um conto muito diferente dos demais. 

5) Demorou quanto tempo pra fazer o livro Vida?
Acho que demorou quase dois anos. A escrita não é minha atividade principal, então é sempre um desafio conseguir arrumar tempo. Estava fazendo graduação em Ciência da Computação na época, e é um curso muito pesado. Mas fui escrevendo, na base de uma hora por dia, e "de repente" o livro estava pronto!.. hehe Espero que isso sirva de exemplo e inspiração para os leitores do blog, acredito que todos nós que temos vontade podemos escrever, é só arrumar um tempinho todos os dias...

6) Qual a mensagem que você quer passar através do livro Vida?
Hmmm... Eu não acredito que uma obra literária deve passar uma mensagem, acho que uma obra deve passar uma pergunta. Cabe ao leitor encontrar a resposta que quiser, ou mesmo não encontrar resposta alguma. Em Vida, acho que a pergunta principal seria "O que é a Vida"?


7) Qual o seu gênero literário favorito?
Meu gênero preferido é a ausência de um gênero, se é que isso é possível... hehe Eu gosto de livros que inovam, que desafiam o leitor, que propõe algo novo, que provocam... Acho que isso é algo que meus escritores preferidos, que listei anteriormente, fazem muito bem. 

8) O que você pensa sobre os jovens (brasileiros) que hoje se apegam mais a literatura estrangeira, como por exemplo livros dos autores: John Green, Nicholas Sparks, Rick Riordan e etc. e esquecendo ou nem mesmo conhecendo as nossas grandes obras da literatura portuguesa?
Eu acho ótimo!.. hehe Quero dizer, em um país onde a média anual de leitura gira em torno de um livro, e a maior parte dos jovens só se interessam em ver televisão, jogar video game ou navegar nas redes sociais, os jovens que chegam ao ponto de se *apegarem* a um livro qualquer já estão indo muito bem!.. :) Mas eu pediria a eles para experimentarem um pouco mais, para buscarem coisas novas, diferentes. O Brasil é um país muito rico, o povo brasileiro é muito criativo, e muito talentoso. É uma pena perder esta riqueza toda, ainda mais por terem o privilégio de falar o português brasileiro como língua mãe.


9) Qual dica você gostaria de dar aos jovens que querem começar a escrever livros?
Vou revelar aqui o segredo fundamental da escrita. A dica mais importante, a mais essencial, que afetará profundamente estes jovens. Preste atenção. Se você quer começar a escrever livros, você tem que conhecer esta dica essencial. O grande segredo é: escreva. Sim, escreva. Hoje, agora, neste momento. Há muitos motivos para não escrever. Há muitos medos que desestimulam a escrita. Há muitas razões para adiar. Mas se você quer escrever livros, tem que superar todos os motivos, todos os medos, todas as razões, e começar a escrever hoje. Escreva agora. Escreva todos os dias. Não precisa parar de estudar, não precisa sair do emprego, não precisa terminar com o namorado(a). Basta arrumar um tempinho, um tempinho que seja, todos os dias, e escrever. Não espere a inspiração chegar. Fique parado uma hora olhando para o teclado se for preciso. Mas esteja lá. Esteja lá para escrever, um tempinho todos os dias.

10) Pra finalizar, qual seu livro preferido?
Esta é a pergunta mais difícil desta entrevista... hehe Talvez "Água-Viva", da Clarice Lispector? Talvez "Retrato de um Artista Quando Jovem", do James Joyce? Talvez "O Evangelho Segundo Jesus Cristo", do Saramago?..

Ou talvez... Ou talvez o meu livro preferido não exista. Talvez meu livro preferido seja aquela ideia de livro que tenho em minha mente, o livro ideal que nunca virá a existir, e que eu luto e luto e luto para tentar criá-lo a cada página que escrevo, mas que jamais irei conseguir atingir... 

E ai, gostaram? Bom, eu confesso que fiquei completamente louca por alguns contos (apesar de não ter lido todos por falta de tempo, né...) Bom, eu quero indicar o conto "Desejo" (do livro O Grande Livro das Pessoas sem Nome), foi o que eu mais gostei e fiquei tipo "awwwn, meu deus" no final... uma trecho do conto: 
 " -Você sabe que não é assim tão simples.
- Pouco me importa se é simples ou não. Me importo somente com o meu desejo.
- Um pensamento meio egoísta, não?
- É egoísmo querer ser feliz?
- É egoísmo dar maior importância a sua felicidade do que à felicidade alheia." 

Espero que tenham gostado desse post, voltarei ao normal, com toda semana fazendo posts novos. Semana que vem, terá resenha do livro "A Seleção" e sobre a lindíssima Kiera Cass que vai vir pro Brasil para a Bienal do Livro em São Paulo. ( e eu em depressão por que sou do RJ, okaaay...)

Um super beijo, e até a próxima! =D
Ana.





20 comentários:

  1. Gostei da entrevista, ele parece ser um ótimo escritor. Legal saber q os livros dele estão disponíveis para leitura online :)

    Visite meu blog: http://j-reliquias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia do autor, nem do livro, mas fiquei muito intrigado com a sinopse do primeiro livro!

    jonnybox.com

    ResponderExcluir
  3. Gostei bastante viiu??Muito boa a entrevista.Parabéns!!!

    http://cantinhodatitania.blogspot.com.br/2014/03/nova-autora-parceira-do-blogthais-lopes.html

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá :)
    Gostei muito da sua postagem, adorei a entrevista, ótimas perguntas e respostas. :D
    bjus...

    http://my-stories-wonderful-books.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia o autor,nem os livros e me interessei!Gostei da entrevista *-*
    Bjs!!

    http://livros-infinitos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Os livros e o autor parecerem ser bem legais haha :) ótima entrevista!
    http://www.bibliophiliarium.com/

    ResponderExcluir
  8. Olá Ana, ótimo post, parabéns pela entrevista.

    Beijos
    Dani Cruz
    blog-emcomum.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Nossa adorei a entrevista,muito bom

    Beijo



    http://conversas-comsorrisosecafes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Ótima entrevista
    Parabéns ^^'
    Bjs

    http://leiaeimagine2013.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Gostei bastante da entrevista, e ele parece ser um ótimo escritor.
    Parabéns.
    Beijo,
    http://bookandteas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Estou muito ansiosa para ler algo dele, parece ser ótimo! (:
    seguindo, beijo!

    www.staffbooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá Flor!
    Já li os dois livros do autor, mas não gostei muito de alguns contos de O Grande Livro das Pessoas sem Nome, acho que foi o momento em que li.
    Adorei a entrevista, parabéns :D
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oi, gostei do seu blog, Parabéns!
    Deixe um comentário no meu também: http://viciodelerlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Já tinha visto o "O Grande livro das pessoas sem nome" na amazon, olha, olha me interessei. ^^ Estou lendo mais contos e sempre vale a pena ler mais uns.

    Beijos
    Passaporte Literário

    ResponderExcluir